Recortes
Projecto de Design de Comunicação V

Tendo como ponto de partida a obra Lunário de Al Berto, optei por explorar a noite. Enquanto lugar e espaço colectivo, observando os comportamentos das pessoas, como fazem tudo aquilo que a luz do dia não permite. Os excessos, os ritmos, as emoções e as convivências. A noite de Beno é uma noite melancólica, solitária, pesada; traz consigo experiências próprias de um tempo e de uma geração. Com estas fotografias quis dar luz ao que é a minha noite, ao que vivo e observo dentro do meu círculo de amigos e da minha geração. Imagens que mostram uma noite Portuguesa, Lisboeta. Diferente dos pubs, clubs e discotecas que marcam a noite de tantas outras cidades Europeias.

Aqui a noite faz-se na rua, à vista de todos, com todos, conhecidos e desconhecidos. A noite em Lisboa é diferente, não é só a cerveja barata que faz os ‘’camones’’ perderem a cabeça, é a abertura, a alegria, a partilha de um espaço por uma imensa multidão. São umas ruas no Cais do Sodré e mais umas no Bairro Alto, de bar em bar, bebe-se na rua, fuma-se na rua, está-se na rua. Mesmo os que seguem para as discotecas da moda começam a noite a beber uns copos pela Baixa. É a energia de um sítio, a uma determinada hora, em certos dias da semana. Esta conjugação de factores torna cada noite única e irrepetível.