qual é o som de lisboa?
Projecto de Design de Comunicação V

No dorso de Lisboa, onde o Tejo e o Oceano se encontram, as ondas colapsam no pavimento de cimento que separa a metrópole das águas, acariciando a costa apenas por momentos. Namoram o betão em gestos pendulares, este que responde trovando uma velha canção que aqui nasceu e que as ondas repetem de regresso ao mar. A erosão faz soltar pedaços do solo que a corrente arrasta consigo, transportando com eles a cidade até terras exóticas e familiares. Lisboa, ainda no mesmo lugar, perde algures no horizonte a visão dos seus fragmentos, interrompendo o seu olhar para ver o quebrar de uma nova onda na costa. A espuma volta a tocar o pavimento, trazendo em si outras paisagens, essas que a cidade recorda embora nunca tenha visitado. A sussurrante voz lírica das ondas deixa para trás uma nova melodia, embrenhada nos objectos que se revelam no recuar das águas. Cantam timidamente sobre o betão, na esperança de aqui poderem atracar, trocando versos com a metrópole. Lisboa dá lugar a uma nova sonoridade, esta que nasce na costa e se renova a cada onda, espelhando na água a sua própria identidade, complexa e fragmentada.