o que salva a nossa casa do esquecimento?
Projecto de Design de Comunicação V

Quando a memória, um quadro e uma questão surgem como lugar para explorar a matéria que me afecta, ainda em estado bruto, a latejar. É através daqui que me posso – perdão - lhe posso tomar o pulso, circunscrevê-la, auto-percepcioná-la, delimitando assim o lugar frágil, delicado e sensível daquilo que me inquieta. Parto do que me é próximo para escrever uma carta. A carta fixa a memória do que se escreveu. A carta tem a presença do eu que escreve e interpela directamente o tu que lê. A carta tem tempo, intimidade e memória. E a nossa casa? Numa permanente mutação entre o que está no meu interior e o que é a nossa casa, esta carta é uma luta contra o esquecimento.