o livro: em si e fora de si
Projecto de Design Editorial II

"Há nos livros algo em sua ausência: a sua origem, a sua destinação, a sua efectividade. O autor, os leitores que já teve ou terá, as influências recebidas e aquelas que exercerá, o ser atualizado (efetivado). O livro é ser em potência, a que falta a deflagração. Ele é explosão por vir, em acontecimento, ou já acontecida." *

O "Livro: em si e exterior a si" reflecte sobre o sentido mais cru e, simultaneamente, afectivo do livro. Este pensa sobre a sua estrutura para além do objecto físico, direcionando-o para as relações, não definidas a olho nu, que cria ao longo do seu percurso neste mundo.

Esta obra é constituída pelo texto de Paulo Pires do Vale em "Tarefas Infinitas: Quando a Arte e o Livro se Ilimitam" complementado pontualmente por excertos da obra de Bruno Munari, Fernando Pessoa, Mieke Gerritzen e Christoph Keller. A sua forma e materialidade invocam uma certa sobriedade poética correspondida no seu conteúdo textual.

*Vale, Paulo Pires do (2012). Uma fenda abre-se diante de nós. (…). Tarefas Infinitas: Quando a Arte e o Livro se Ilimitam. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.