lipotimia
Projecto de Audiovisual e Multimédia I

Lipotimia surge numa perpétua mutação entre um corpo encarcerado e uma pintura calada, vertiginosa, sem fim. Veste os vestígios da solidão da obra de Edward Hopper, dança o vazio e sussurra a melancolia num questionamento sobre a identidade humana aquando do seu confronto com a solidão. No entanto, tal não significa que não seja um traço, uma mancha, um arrepio, um abismo ou, indubitavelmente, eu própria.